Por: diario | 05/06/2018

O ano de 2018 não começou como os economistas esperavam. A retomada que se desenhou no ano passado, que já era fraca, perdeu fôlego e provocou uma onda de revisões para o desempenho no primeiro trimestre, piora confirmada pelo dado divulgado na quarta-feira (30) pelo IBGE.

Entre janeiro e março, o PIB variou positivamente 0,4% em relação ao quarto trimestre do ano passado, descontada a sazonalidade. No fim do ano passado, algumas das estimativas para este início de 2018 passavam de 1%. Em relação ao mesmo período de 2017, o crescimento foi de 1,2%, bem mais modesto do que os 2,1% registrados no intervalo entre outubro e dezembro, também na comparação com igual período do ano anterior.

Entre os principais fatores de frustração, pelo lado da demanda, está o consumo das famílias, que representa 60% do PIB e cresceu apenas 0,5% em relação ao trimestre anterior, afetado negativamente pelo desemprego mais elevado do que se esperava.

 

Receba primeiro as notícias do Jornal Diário do Alto Vale, faça parte do grupo de Whatsapp. Clique aqui 

 

Esse freio no consumo se manifesta especialmente nos serviços, que, nos três primeiros meses do ano, tiveram desempenho muito aquém do que se previa – cenário antecipado pelas divulgações mensais da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) e reiterada pelo PIB divulgado nesta quarta – variação de apenas 0,1%.

A alta do dólar, que encarece as importações de máquinas e equipamentos, e a construção civil, que já vinha enfrentando dificuldade para se recuperar, afetaram negativamente os investimentos, que desaceleraram de 2,1% no fim de 2017 para 0,6% entre janeiro e março, na comparação contra o trimestre imediatamente anterior.

As estimativas preliminares para o restante do ano eram melhores, já que as previsões para o PIB de 2018 estava na casa de 2,5%. A paralisação de caminhoneiros, entretanto, deve ter impacto negativo importante neste segundo trimestre e pode afetar o crescimento do ano.

Informalidade e desemprego

Uma das razões para a desaceleração do consumo vem do mercado de trabalho. O país tem dificuldade para criar novas vagas, especialmente com carteira assinada. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua mostra alguma recuperação na ocupação desde junho do ano passado, quando, depois de 22 meses consecutivos de retração – ou seja, de redução no volume de pessoas empregadas – ela voltou a cresceu.

Essa retomada, contudo, se dá por meio do trabalho informal e do trabalho autônomo, categorias mais precárias. Desde fevereiro de 2015, o trabalho com carteira na Pnad Contínua está em terreno negativo.

“O aumento da informalidade, ainda que represente alguma geração de emprego, também segura o consumo, já que o risco de ser demitido é maior”, pondera o economista Marco Caruso, do banco Pine. Ele chegou a estimar alta de 0,9% para o PIB no primeiro trimestre.

PIB menor, por sua vez, significa taxa de desemprego maior. Em paralelo à revisão do crescimento de 3% para 2% para o ano, o banco Itaú elevou também a expectativa para o desemprego, de 11,7% para 12,1% no fim de 2018 e de 12% para 12,3% na média do ano.

“À medida que a demanda cresce menos, as empresas precisam de menos contratações”, explica o economista Artur Passos.

Renda cresce menos

Quem está empregado vê a renda crescendo menos. Em 2017, os reajustes salariais que levavam em conta a inflação mais alta de 2016 ganharam incremento que não se repete neste ano. “No ano passado, os salários se beneficiaram pelo ‘bônus desinflacionário’ e o consumo foi incentivado pela liberação dos saldos das contas inativas do FGTS, dois fatores atípicos que a gente não vê neste ano”, ressalta Silvia Matos, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV).

No ano passado, a massa de renda real (descontada a inflação) calculada pelo Ibre-FGV avançou 5,5%. A projeção para este ano é de apenas 0,5%. “Só isso já faria 2018 crescer menos”.

Mudança no cenário externo

O crescimento de 1% do PIB em 2017 – um resultado magro, diante da retração de 3,5% da atividade tanto em 2015 quanto em 2016 – teve ajuda do cenário internacional, que manteve as cotações do dólar e do petróleo mais comportados.

O Brasil não vai poder contar com esse auxílio em 2018. O dólar mais caro, diz Silvia Matos, do Ibre-FGV, em um primeiro momento tem impacto negativo sobre a indústria, já que aumenta o preço das importações e dificulta, por exemplo, a compra de máquinas e equipamentos lá fora.

As exportações poderiam ser beneficiadas no médio prazo, já que a desvalorização do real deixa os produtos brasileiros mais baratos em dólar – o problema é que as moedas da maioria dos emergentes também perdeu valor, reduzindo o ganho de competitividade do Brasil.

“E exportação não é tanto câmbio, é cada vez mais acordos (entre países e blocos comerciais)”, acrescenta a economista.

Diante dessa conjuntura, o Ibre-FGV havia revisado para baixo a expectativa para o resultado da indústria no primeiro trimestre, de um número ligeiramente positivo para queda de 0,5%.

A crise na Argentina, mercado importante para os veículos fabricados no Brasil, não chegou a afetar negativamente as exportações nos primeiros três meses do ano, destaca Artur Passos, do Itaú, mas é outra frente que deve ser monitorada.

Entre o quarto trimestre de 2017 e o primeiro deste ano, as exportações cresceram 1,3% na comparação com o período imediatamente anterior.

Todo esse cenário oferece pouco incentivo para a retomada dos investimentos. Dentro do PIB, destaca Matos, 55% da Formação Bruta de Capital Fixo (os investimentos) vêm do setor de construção civil, “que já estava ruim e continuou assim”, ela destaca.