Por: diario | 02/05/2017

Vice-presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), o deputado estadual Aldo Schneider (PMDB) tem participado de decisões importantes na mesa diretora da casa. Entre elas a devolução de recursos das sobras do caixa do Legislativo e a votação de projetos que tramitam em regime de urgência no parlamento estadual, para trazer economia ao Governo.

O projeto que prevê a extinção da Companhia de Habitação de Santa Catarina (Cohab-SC) e a Companhia de Desenvolvimento de Santa Catarina (Codesc) é um deles. Schneider comenta que o enxugamento da máquina pública é uma das metas do atual Governo, ao qual o PMDB faz parte.

Segundo ele as propostas estão sendo estudadas. “Essa análise depende de muita discussão, de muita audiência pública, principalmente quando se extingue as empresas e se faz um programa de demissão incentivada para os funcionários”, disse.

O projeto de autoria do Executivo tem causado polêmica, principalmente por envolver a demissão de funcionários dessas companhias estaduais. O texto está em análise nas comissões. “Eu entendo que os nossos parlamentares que compõem as comissões de Justiça, Finanças, Trabalho e Serviço Público vão ter a grandiosidade de entender que esse momento em que o Brasil vive é o momento de enxugar as máquinas públicas, tanto no âmbito do Estado quanto dos municípios, como também da União”, observou.

Para ajudar nas contas do Executivo, a Alesc planeja fazer a devolução de recursos para o Governo ao fim das atividades do primeiro semestre deste ano. Os recursos repassados já no meio do ano devem ser entre R$ 50 milhões e R$ 70 milhões. “Pré-definimos que provavelmente no mês de julho. Não está definido ainda se uma parte desses recursos será destinada ao Fundo Catarinense de Hospitais e a outra parte para o Tesouro do Estado, mas o que é fato é que nós estaremos devolvendo entre R$ 50 milhões e R$ 70 milhões”, explicou.

 

Presidência Alesc

No acordo para eleger o presidente da Alesc para o exercício 2017/2018, foi costurada uma presidência compartilhada, sendo assim, o presidente da Alesc, Silvio Dreveck (PP), ficou com o primeiro ano e o deputado Aldo Schneider com o segundo ano. “Por solicitação do presidente estadual do PMDB [Mauro Mariani] e do vice-governador Eduardo Pinho Moreira, me solicitaram que nesse acordo o PMDB ficaria com o último ano de mandato”, comentou.

Em fevereiro do ano que vem, Schneider deverá assumir a presidência do Legislativo estadual, com a renúncia de Dreveck. “No dia 1º de fevereiro do próximo ano, o deputado Silvio renunciará ao cargo de presidente da Assembleia Legislativa e eu automaticamente subirei ao cargo de presidente. No momento da renúncia do deputado Silvio nós vamos eleger em plenário, o 1º vice-presidente da casa”, explicou.

Albanir Júnior


Últimas notícias:

Defesa Civil receberá quase R$ 730 mil

Temperatura deve subir essa semana

Tangefest elege sua realeza

Viatura da PM tomba em ocorrência