Por: diario | 31/01/2018

O jornal Folha de São Paulo divulgou uma pesquisa realizada pelo Datafolha sobre as preferências dos eleitores brasileiros para próxima eleição de presidente. Mesmo após ser condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), o ex-presidente Luiz Inácio Lula Da Silva (PT) permanece a frente nas intenções de voto, seguido por Jair Messias Bolsonaro (PSC). No entanto, a briga por uma vaga no segundo turno fica acirrada, caso Lula seja impedido de disputar a eleição por estar enquadrado na Lei da Ficha Limpa.

Lula lidera o primeiro turno em todos os cenários em que seu nome é colocado. Os percentuais variam de 34% a 37%. Bolsonaro estagnou, e não apresentou crescimento em relação a pesquisa anterior, mesmo nos cenários onde o nome de Lula não é levado em consideração, porém, ele lidera todas as simulações neste cenário. Os números oscilam entre 15% e 20%.

Dois nomes ganham evidência, caso Lula esteja impossibilitado de concorrer. A candidatura de Marina Silva (Rede) sobe de 8% para 13%, e de Ciro Gomes (PDT), de 6% para 10%. Nos quatro cenários sem Lula, Ciro e Marina se revezam no segundo lugar. A ex-ministra do Meio Ambiente chega a ter 16% em cenário sem Lula e Alckmin.

O centrão, que deve ser a alternativa entre o extremismo de Lula e de Bolsonaro, não decola. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), varia entre 6%, nos cenários com Lula, a 11%, sem o petista. Os percentuais são semelhantes ao registrado na pesquisa anterior do Datafolha, divulgada em dezembro.

Segundo turno

Em uma disputa em segundo turno, Lula teria vantagem considerável sobre todos os concorrentes. Ele venceria Alckmin por 49% a 30%, Marina Silva por 47% a 32% e o Bolsonaro por 49% a 32%.

Sem Lula no segundo turno, Bolsonaro seria derrotado por Marina Silva (42% a 32%) e estaria em situação de empate técnico com Alckmin (35% a 33%). Esta segunda hipótese estaria dentro da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Caso o segundo turno seja disputado por Alckmin e Ciro Gomes, a pesquisa também apontou a possibilidade de empate técnico com números de 34%, 32%, respectivamente.

Rejeição

Mesmo após condenação, a rejeição de Lula aumentou apenas 1%, de 39% na pesquisa anterior para 40%. A mudança mais sensível foi na rejeição do presidente Michel Temer, que caiu de 71% para 60% em cerca de um mês.

Fernando Collor aparece com a segunda maior rejeição, com 44%, atrás de Temer. Bolsonaro tem 29%, Alckmin, 26% e Huck, 25%.

A pesquisa eleitoral registrou ainda que a saída de Lula da corrida presidencial poderá afetar a participação nas eleições, pois 31% do eleitorado petista declararam voto branco ou nulo nos cenários sem o ex-presidente.

O Datafolha fez 2.826 entrevistas em 174 municípios, entre segunda e terça-feira desta semana. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR 05351/20018. O levantamento foi divulgado pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

Rafael Beling