Por: diario | 22/10/2016

Criminosos estão se passando por servidores da Celesc e lesando consumidores em Ibirama

Um golpe está sendo aplicado em Ibirama por dois homens que se passam por servidores terceirizados da Celesc. Os casos foram registrados no bairro Padre Anchieta onde os farsantes ofereceram serviços dentro e fora da residência afirmando que a troca de algumas peças traria economia na conta de energia. A Celesc destaca que não oferece nenhum tipo de trabalho dentro das casas, e a orientação nessas situações é para que a polícia seja acionada.

As denúncias do golpe foram recebidas pela Polícia Civil de Ibirama na tarde de quinta-feira (20). Ao todo foram quatro casos registrados, porém, até nesta sexta-feira nenhuma vítima registrou boletim de ocorrência. Desta forma o trabalho de investigação fica comprometido, porque mesmo que as denúncias anônimas tenham sido registradas, não há mais informações, como a descrição física dos golpistas, para que a polícia possa avançar nas buscas.

Os casos aconteceram na noite de quarta-feira (19) por volta das 20h, no bairro Padre Anchieta que fica às margens da BR-470. Os homens chegaram nas residências em um carro bordô e se identificaram como funcionários da Celesc, eles ainda portavam um crachá da companhia. De acordo com informações da Policia Civil, eles disseram que precisavam fazer a troca de um equipamento no medidor de energia, o que traria econômica na fatura de energia elétrica. Os golpistas então se dirigiam até o relógio de energia e momentos depois voltavam com uma peça na mão, a polícia ainda não sabe dizer se alguma alteração era realmente feita.

Em seguida os farsantes pediam algum documento de identificação do proprietário da residência e simulavam um suposto cadastro. No final eles ainda solicitavam as vítimas para adentrar na residência com a desculpa de que precisavam verificar as tomadas e os aparelhos eletrônicos. A suspeita da Polícia Civil, é que a ação seja uma forma de identificar os bens que constam dentro da residência para planejar um futuro assalto.

O serviço oferecido pelos golpistas era cobrado por R$ 152,00, de acordo com as informações que a polícia recebeu através das denúncias. Os moradores ainda contaram que os homens diziam que caso o pagamento não pudesse ser feito no momento da execução do serviço, eles voltariam outro dia para fazer a cobrança.

O chefe da Agência Regional da Celesc de Rio do Sul, Manoel Arisoli Pereira, esclarece que os servidores da companhia não prestam nenhum tipo serviço dentro das residências. “A responsabilidade da Celesc vai até o medidor, que é o relógio da energia elétrica. Qualquer pessoa que aparecer falando que precisa entrar na residência, ou vendendo serviços dentro da casa, entenda como golpe”, ressalta.

Como conta Manoel, muitas pessoas mal intencionadas acabam se aproveitando da credibilidade que a Celesc tem no Estado para aplicar diversos tipos de golpes. Casos como esse são corriqueiros na região, sendo que registros sobre o assunto são feitos periodicamente. “A cada dois ou três meses vem uma notícia dessa situação. Ou passa alguém na região pela BR-470, ou alguém que se mudou para cá e fica dando os golpes. Normalmente a cada 90 dias recebemos informação que em algum município do Alto Vale estão aplicando o golpe”, conta.

Manoel destaca que a Celesc possui postos de atendimento em todos os 28 municípios do Alto Vale. Caso surja alguma dúvida sobre os serviços oferecidos a orientação é para que as pessoas liguem diretamente para a agência da sua cidade ou ainda para a Central de Atendimento no telefone 0800 48 0196. Lembrando que tanto os servidores diretos da Celesc, quanto os funcionários terceirizados trabalham uniformizados e com crachá de identificação, além de utilizarem veículos caracterizados.

Sindréia Nunes