Por: diario | 13/03/2018

Em busca da conquista dos mercados internacionais, países que exportam carne precisam cumprir uma série de normas sanitárias estabelecidas pela Organização Mundial do Comércio, a OMC, e também por meio da Organização Mundial de Saúde Animal, a OIE.

A grande maioria dos países possuem normas próprias para importar os produtos. Para isso, a modernização do sistema de rastreabilidade na pecuária é fundamental para que o setor possa avançar e buscar a atender outros requisitos de diferentes mercados no mundo.

O novo sistema de rastreabilidade bovina automatizado, foi desenvolvido e está sendo testado pela Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária, a CNA. Para dar inicio ao projeto os testes estão sendo realizados na fazenda em Sanga Puitã, localizada a 70 quilômetros de Brasília.

Os testes que acontecem na propriedade são realizados da seguinte forma, o rebanho bovino composto por 240 cabeças de raça nelore, recebem brincos de identificação com objetivo de registrar e facilitar o trabalho de manejo realizado, como por exemplo, exames de vacinação, movimentações entre propriedades e informações complementares como a idade, raça e sexo dos animais.

A ferramenta permite o monitoramento regular do gado, desde o período do nascimento até o desligamento do brinco eletrônico, onde ele passa pelo processo de abate no frigorifico. Com os dados é possível oferecer as empresas mais segurança e transparência aos países importadores de carne brasileira, podendo acessá-los pelo computador ou dispositivos moveis.

A modernização do sistema de rastreabilidade na pecuária coloca o Brasil em um novo patamar nas relações comerciais com os importadores, já a implantação funcionará como um certificado de que os pecuaristas do Brasil estão atentos aos modos de produção, as exigências sanitárias internacionais, além da qualidade da carne nos mercados interno e externo.

A vantagem econômica que o novo sistema traz ao produtor é vasta. Ele permite melhor preço na venda dos animais, pois atende a compradores com exigências específicas, disposto a pagar mais para ter o produto de acordo com suas necessidades e exigências.

 

 

Receba primeiro as notícias do Jornal Diário do Alto Vale, faça parte do grupo de whatsapp. Clique aqui