Por: diario | 15/08/2018

Atualmente, no Brasil, existem 20 milhões de fumantes, cerca de cinco vezes a população da Croácia, e a produção anual de tabaco, cujo cultivo está associado ao uso indiscriminado de agrotóxicos, gera um prejuízo de mais ou menos R$ 44 bilhões ao ano para o Brasil.

Pensando nisso, a médica Tânia Cavalcante, do Instituto Nacional de Câncer (INCA), realizou uma palestra no Fórum Catarinense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos (FCCIAT), onde fomentou o debate a respeito do custo socioambiental do consumo e produção de tabaco.

A palestra teve como principal motivação a estreita relação entre o cultivo da lavoura de fumo em Santa Catarina e o uso indiscriminado de agrotóxicos na produção agrícola. De acordo com o INCA, “o modelo de cultivo com o intensivo uso de agrotóxicos gera grandes malefícios, como poluição ambiental e intoxicação de trabalhadores e da população em geral. As intoxicações agudas por agrotóxicos são as mais conhecidas e afetam, principalmente, as pessoas expostas em seu ambiente de trabalho”.

 

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

 

Durante o encontro, foi apresentado o Protocolo para a Eliminação do Comércio Ilícito de Produtos de Tabaco, cuja vigência tem início em outubro deste ano. Elaborado pela Comissão Nacional para Implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, criada por orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS), o protocolo é uma política de enfrentamento à indústria do tabaco e a principal ferramenta de regulação da oferta a fim de reduzir o consumo e suas consequências para a saúde e para a economia. O Brasil e outros cinco países das Américas já ratificaram o documento.

Entre as medidas previstas na Política Nacional de Controle de Tabaco para a redução do consumo, estão o aumento dos preços e impostos, a proteção contra o tabagismo passivo e a regulação do conteúdo dos produtos. Já com relação à redução da oferta, o documento prevê o controle do comércio ilícito do tabaco e o apoio a atividades alternativas economicamente viáveis.

Além de apresentar o protocolo, a médica explicou o contexto no qual a produção de tabaco está inserida. Durante a fala, a palestrante defendeu que a indústria do tabaco é altamente rentável apenas para as empresas que a exploram, já que deixa para o Estado e para a sociedade um elevadíssimo prejuízo, traduzido nos elevados custos para tratamento de saúde e contaminação da população e do meio ambiente.

No que diz respeito à economia, os gastos envolvendo o tabagismo somam R$ 56,9 bilhões ao ano, considerando despesas médicas e custos indiretos ligados à perda de produtividade, segundo o estudo “Carga de doença atribuível ao uso do tabaco no Brasil e potencial no impacto no aumento de preços por meio de impostos”. Porém, a arrecadação de impostos sobre os cigarros gera lucro de R$ 13 bilhões/ano, resultando no prejuízo de R$ 44 bilhões/ano.

O valor pode ser ainda maior se forem contabilizados os custos com ações para prevenção do tabagismo, com tratamento para deixar de fumar, com o desenvolvimento de alternativas economicamente viáveis à produção de tabaco, com o combate ao mercado ilegal de cigarros e com os subsídios de incentivo fiscal e créditos disponibilizados às indústrias de tabaco. Com relação à saúde, além das mais de 150 mil mortes por ano decorrentes do tabagismo, estima-se que 75 mil diagnósticos de cânceres, 34 mil casos de doenças cardíacas e 10 mil acidentes vascular cerebral sejam decorrentes do hábito de fumar.