Por: diario | 1 mês atrás

Helena Marquardt

Uma Comitiva do Partido dos Trabalhadores (PT), formada por lideranças como o deputado Dirceu Dresch e o candidato a deputado estadual Jean de Liz está percorrendo diversas cidades do Alto Vale neste fim de semana para uma série de reuniões. O objetivo dos encontros é fazer uma avaliação da atual conjuntura política, resultados das eleições e discutir os encaminhamentos do partido para os próximos anos.

O primeiro encontro da agenda foi realizado em Rio do Sul na noite desta sexta-feira e outros estão marcados para acontecer neste sábado pela manhã em Vitor Meireles e a tarde em Taió, além de um evento que finaliza a agenda e será realizado a noite em Rio do Campo.

Em entrevista ao Diário do Alto Vale, Dirceu Dresch, que recebeu 45.659 votos, mas não se elegeu deputado federal, afirmou que o PT vem sendo criminalizado. “Foi criminalizada a política e não só o PT e isso não é por acaso, foi produzido. O Judiciário brasileiro cumpriu uma função nisso, criminalizar a política, especialmente o juiz Sérgio Moro, e tivemos um movimento absurdo da grande mídia, do próprio Supremo Tribunal Federal de criminalizar o PT e aí foi difícil. É um momento delicadíssimo para nós. Temos o nosso maior líder preso, sequestrado para não ser presidente, mas um dia a verdade vai ter que prevalecer”, criticou.

Para ele, o PT de Santa Catarina precisa reestruturar na sua base. “O partido se afastou um poucos dos seus princípios e deixou a desejar no processo de organização, porque ele é um partido que é fruto de um processo coletivo e de resistência em prol das políticas públicas”, comentou.

Dresch declarou ainda que para reverter essa situação nas urnas a sigla precisa dialogar mais com a sociedade e isso começa a ser feito com encontros como os que estão acontecendo no Alto Vale. “O partido já teve muita força aqui na região. Teve prefeitos, deputados.  Está um pouco desorganizado e tivemos algumas baixas no Alto Vale, mas é só uma questão de tempo para se reestruturar e vamos buscar os filiados de volta e muitos jovens que querem discutir um projeto para o Brasil”, declarou.

Jean de Liz faz avaliação da eleição

O candidato a deputado estadual, Jean de Liz, participou da entrevista e fez uma avaliação dos 10.341 votos que recebeu, distribuídos em mais de 170 municípios. Ele destacou que o momento é de agradecimento, mas reconheceu que o resultado das eleições acabou sendo frustrante, já que esperava conseguir de 20 a 25 mil votos.  “Começamos uma construção do meu nome que foi debatido e emergiu da sociedade num momento que eu tinha pensado se iria continuar ou se daria um tempo para a política após as eleições municipais, mas várias pessoas pediram que eu colocasse o meu nome à disposição e vislumbramos uma perspectiva possível de eleição.   Eu respondi o que imaginava que a sociedade queria, que era alguém que entendesse de política, então fui estudar política e fazer pós em gestão pública. Ela queria alguém que não tivesse nada na Justiça e eu tenho ficha limpa. Alguém que tem um projeto viável e apresentei só o que era possível de realizar, mas não houve a correspondência do voto.”

Para ele a “onda” de escolha por candidatos de um mesmo partido, desde presidente até deputados, acabou dispersando muitos votos, inclusive do Alto Vale. Questionado se vai concorrer novamente nas próximas eleições ele afirmou que nesse momento ainda é cedo para falar sobre essa possibilidade. “Acho que estamos no calor da emoção ainda, porque gera um pouco de frustração, mas a política é isso, ela é muito dinâmica e as pessoas usam os mais diversos critérios para o voto, então estou avaliando e quero sentar com calma, avaliando a conjuntura local, mas é cedo para admitir qual será o próximo passo. O que sei é que estar debatendo política e querer construir uma sociedade melhor eu nunca vou me furtar, seja onde for.”