Por: diario | 30/01/2019

O porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro tem mostrado uma evolução “bastante razoável” após passar por uma cirurgia na segunda-feira (28). Foi confirmada a previsão de que ele reassumirá o cargo na manhã desta quarta, quando retoma a rotina de despachos.

Desde que ele foi sedado para o procedimento, o vice, Hamilton Mourão, é quem está no cargo.

A partir de quarta, Bolsonaro poderá receber ministros para tratar de assuntos governamentais, mas o porta-voz explicou que deverá ser evitado que as visitas sejam rotineiras, o que poderia cansá-lo.

Ao longo do dia, aliados tentaram convencê-lo a adiar a retomada de despachos. Há uma preocupação com o recebimento de visitas, o que pode levá-lo a uma exposição de infecções, por exemplo.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Em novo boletim médico, divulgado na tarde desta terça, o hospital afirmou que o presidente “manteve-se estável durante o dia, sem sangramentos ou qualquer outra complicação”, semelhante ao que foi divulgado pela manhã.

Os médicos informam que ele permanece em jejum oral, recebendo analgésicos e hidratação endovenosa e que as visitas permanecem proibidas. Além disso, o hospital informou que Bolsonaro sentou-se e realizou fisioterapia respiratória e motora “com bom desempenho”.

O porta-voz disse que os médicos relataram que o presidente está em uma “evolução muito positiva nessa cirurgia” e atribuiu o resultado pela preparação feita antes da operação e devido à força do presidente.

A cirurgia

Na segunda, Jair Bolsonaro foi submetido a uma cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal no hospital Albert Einstein, em São Paulo, num processo que durou 7 horas. O presidente está internado desde domingo na casa de saúde, onde deve permanecer por mais nove dias.

Essa foi a terceira operação à qual ele foi submetido desde que foi alvo de uma facada, em setembro de 2018, durante ato de campanha em Juiz de Fora, Minas Gerais. O procedimento consistiu no religamento do intestino após a retirada de uma bolsa de colostomia, colocada há quase cinco meses.

A grande quantidade de aderências (partes do intestino que ficam coladas) levou a equipe médica a executar um procedimento mais complexo e demorado do que se esperava. A opção mais simples era religar as duas pontas do intestino grosso, que estavam separadas, para que o trânsito intestinal voltasse ao normal.

A outra, que teve de ser adotada, exigia a união de uma alça do grosso com o delgado. Para que isso acontecesse, a parte do intestino grosso que estava conectada à bolsa de colostomia foi removida.

Um dos primeiros ministros a se encontrar o presidente após a liberação das visitas deve ser o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Ele estuda vir a São Paulo na quinta-feira (31) para fechar com Bolsonaro a mensagem que será levada por ele ao Congresso.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Na sexta (1º), os parlamentares eleitos tomam posse e a Câmara e o Senado elegem seus dirigentes pelos próximos dois anos. O Palácio do Planalto já trabalha no texto que será levado por Onyx ao Congresso. A mensagem deve ser lida na abertura dos trabalhos do legislativo e lida pelo primeiro secretário da Câmara, o deputado Giacobo (PR-PR).

Por Folhapress

*Arte GaúchaZH