Por: diario | 15/02/2019

O vereador Francisco Goetten (PP), o Chico, acabou deixando a liderança de governo da Câmara de Vereadores de Rio do Sul. Isso se deu por conta de uma polêmica que acabou sendo discutida entre Legislativo e Executivo, sobre o posicionamento do prefeito José Thomé diante de vários vereadores e comunidade. De acordo com Chico, para que o trabalho flua da melhor maneira é necessário diálogo, coisa que até então não vem acontecendo por parte do Executivo.

“Temos casas independentes, então temos que trabalhar harmoniosamente e essa é a minha função, também representar a população nos assuntos polêmicos onde é necessário um debate coletivo, precisa desse diálogo do Executivo com o Legislativo juntamente com a sociedade, esse é o principio da liderança de governo, por isso que então eu aceitei porque você pode realmente debater e chegar num consenso, assim a população ganharia com isso, por decisão pessoal minha acabei deixando essa função”, comentou.

Em relação às reuniões que aconteceram, Chico disse que pode participar junto como líder de governo, numa reinvindicação justa por parte da sociedade, onde a comunidade pedia um prazo, já que o Executivo teria alterado um projeto sem o consentimento de todos.

“Por parte de um vereador, o Mário Sérgio Stramosk, eu participei também naquela reunião mais como empresário, nesse momento como líder de governo eu não me manifestei porque houve um acordo não cumprido por parte do Executivo com a sociedade. Foi mudado o projeto sem consultar a comunidade e a comunidade estava pedindo 60 dias de prazo para eles encontrarem uma solução, e que o governo concedesse os 60 dias para esse debate, então meu colega vereador se levantou para se manifestar, mas na verdade, ele nem chegou a falar, mas a figura dele incomodou e o Executivo de uma forma agressiva e mal educada o agrediu perante a uma plateia e um público considerável”, relatou Chico.

Ele disse ainda que achou a atitude incorreta por parte do Executivo e que não esperava passar por essa situação. “Eu estava ali por outra missão e função, mas sou justo e sei quando as coisas não estão certas, não tenho ligação com poder, tenho ligação com pessoas de luta com as pessoas da sociedade, por esse motivo acabei entregando a liderança de governo”, pontuou.

Questionado sobre o posicionamento do prefeito Thomé em relação ao que aconteceu Chico destacou.

“O líder quando não tem liderança se comporta assim, não consegue enfrentar um diálogo com disciplina e quis fazer isso mostrando que tinha o poder em mãos. Para mim o respeito e o comportamento são necessários e não é um “eu mando”, eu sei e está acabado, não é assim que funciona”, destacou.

Em relação à colaboração da Câmara de Vereadores, atualmente com a Prefeitura e o atual governo, o vereador destaca que sempre houve um bom relacionamento, onde várias ações foram apoiadas.

“A Câmara de Vereadores e o governo só funciona porque o Legislativo é solidário em muitas ações, inúmeras vezes já aprovamos várias ações, inclusive empréstimo de até R$ 30 milhões. Hoje nós temos situações gravíssimas de percentuais pagos também que é outra polêmica, onde acaba-se pagando juros de 11 %, então tem situações que são muito delicadas, seria uma situação que como líder de governo eu não aceitaria de forma pacífica”, afirma.

Por fim, o vereador reafirmou seu compromisso com a comunidade rio-sulense.

“Enquanto eu estiver lá, como vereador, vou combater a irregularidade e qualquer desperdício de dinheiro público. Quem ganha é a sociedade com o debate, com o posicionamento dos vereadores, temos uma Câmara independente com economia, e já fizemos tanto pelo município, tenho certeza que essa câmara ficará na história porque ela não se entrega ao poder mas luta pela comunidade”, finaliza.

Tatiana Hoeltgebaum