Por: diario | 19/02/2019

Um post compartilhado por cerca de quatro mil pessoas nas redes sociais, de uma rachadura exposta na ponte sobre o Rio Itajaí-Açu II, na BR-470, que fica no limite entre os municípios de Apiúna e Ibirama, gerou polêmica nas redes sociais. As condições precárias da estrutura e também da BR-470, têm preocupado e em muitos casos, prejudicado a população da região.

Em uma das postagens que está circulando pelas redes sociais, diz que a ponte já esta em situação precária há muitos anos e que há o alerta de que ela possa cair a qualquer momento.

“Há alguns dias um morador registrou um pedaço da lateral cair sozinho. Agora novas imagens mostram que a ponte está literalmente se soltando da BR-470, e por esta ponte passam todos os dias centenas de carros e caminhões carregados, uma bomba relógio que a qualquer momento pode cair e causar uma tragédia”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

A redação do Jornal Diário do Alto Vale entrou em contato com o chefe de serviço Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) de Rio do Sul, que explicou que apesar de a ponte ter problemas, essa fissura que ficou exposta está na cabeceira, o que não põe em risco a segurança da ponte.

“A ponte não vai cair a qualquer momento, pois o problema é nas cabeceiras. O aterro que se encontra com a ponte cedeu e acabou abrindo o buraco em cima. A ponte tem problemas sim, mas esse, não tem nada haver com o problema da ponte em si, mas sim do aterro que faz essa ligação, estive ainda pela manhã de ontem analisando essa situação. Nossa equipe já esteve lá para reduzir o degrau que se formou e estou em contato com a superintendência pra solucionar isso definitivamente”, explicou.

Sobre o início das obras de reforma da ponte, a última novidade de progresso aconteceu em dezembro, quando a Coordenação de Projetos de Estruturas (CGDESP) do DNIT de Brasília apresentou o anteprojeto de reabilitação da Ponte. Agora, o anteprojeto está em Brasília em fase de orçamentação, para aí então passar pelo processo licitatório, e a reforma deve ficar para 2020.

Tatiana Hoeltgebaum