Por: diario | 26/06/2019

O bairro Canoas terá em breve um novo sistema de iluminação e vai ganhar lâmpadas em LED por meio do Consórcio Catarinense (CIM Catarina). A intenção é gerar mais economia e as instalações iniciam em agosto e estão previstas para terminar em outubro.

De acordo com o secretário de infraestrutura, Aldonir Xavier, com a implantação do novo sistema, será possível ampliar o projeto. “Nós estamos desde janeiro com um novo controle da iluminação pública de Rio do Sul onde nós contratamos o Cim Catarina, que faz a manutenção de todo nosso sistema e também tem a possibilidade de estar fazendo os projetos de ampliação. Após nossos estudos pegamos como referência o bairro Canoas com um projeto piloto, onde vamos substituir toda a rede de iluminação pública. Em pontos vamos substituir a rede e outros pontos vão substituir toda a iluminação”, disse Aldonir.

O secretário reforçou ainda que a ação irá contemplar outros pontos próximos ao bairro. “No bairro Canoas atualmente tem 392 lâmpadas, nós vamos retirar e substituir por 500 lâmpadas de led, serão 108 lâmpadas a mais instaladas, onde vai contemplar o elevado José Thomé, a ponte e a praça de skate além da melhoria da iluminação do elevado”, pontuou.

Em relação a economia ele destaca que este é um dos pontos principais para a mudança. “Essa novidade além de gerar economia revitalizará o espaço. O grande objetivo disso é dar um novo ar para aquele bairro, com uma revitalização, principalmente na luminosidade, aumentar a segurança, e principalmente trabalhar a questão da economia com a iluminação pública”, disse.

Valores

De acordo com o secretário, as despesas atualmente, são de R$ 16.500,00 com iluminação no bairro Canoas. “Com o novo estudo, e as novas lâmpadas, essa estimativa vai reduzir pra R$ 5.800,00. Nós vamos ter uma redução de 75% nas despesas com iluminação pública naquele bairro. O impacto financeiro é muito grande sendo que fizemos uma conta onde em quatro anos e seis meses nós retiramos o investimento feito agora, orçado em aproximadamente R$ 570 mil para fazer todas as operações. É um impacto muito positivo principalmente na questão econômica”, acrescentou.

Tatiana Hoeltgebaum