Por: diario | 29/11/2018

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), julgou na noite de terça-feira (27) o recurso especial apresentado por Lucas Esmeraldino (PSL), terceiro colocado na eleição, que questionava a regularidade da filiação de Beto Martins ao PSDB, segundo suplente na chapa de Jorginho Mello (PR) ao Senado Federal. O registro de candidatura foi confirmado pelo órgão com o resultado unânime do julgamento, que foi de sete votos a zero a favor do tucano.

Em entrevista exclusiva ao Jornal Diário do Alto Vale, Beto Martins disse que desde o início das acusações, tanto ele quanto Jorginho Mello e os demais membros do partido, sabiam que as acusações eram infundadas, e que por isso, decidiram não fazer alarde antes de sair a decisão oficial.

Disse também que antes da decisão do TSE, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) também havia avaliado os fatos corretamente, porque não havia nada de errado na candidatura dele, e que houveram algumas notícias de que a chapa de Jorginho poderia ser cassada, que de acordo com ele, também não procediam, pois o que estava sendo analisado era somente a validade da sua candidatura.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

“Eu fico muito triste só por terem envolvido o Jorginho Mello em toda essa história, mas agora o assunto está lacrado e finalizado”.

A assessoria de comunicação do senador eleito, Jorginho Mello, também explicou que a notícia da cassação da chapa por completo era falsa, e que não havia como Lucas Esmeraldino assumir a vaga.

“Até o próprio relator, Ademar Gonzaga disse que, caso os ministros entendessem que não deveria ser registrada a candidatura do Beto, iria acontecer a cisão da chapa, ou seja, somente Beto não assumiria, mas Jorginho e a Ivete Appel da Silveira, primeira suplente, assumiriam normalmente”.

Beto disse que, durante a eleição, candidatos adversários entraram com pedido de indeferimento da candidatura por, supostamente, ter se filiado fora do prazo mínimo de seis meses antes das eleições. Mas o candidato conseguiu comprovar que se filiou em 6 de janeiro de 2018, com apresentação da cópia da filiação partidária, cópia de petição endereçada à Justiça Eleitoral de Imbituba pedindo a alteração da data de filiação no sistema, além de matérias jornalísticas com ampla repercussão de sua migração para o PSDB já em janeiro.

O Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina e o ministro Ademar Gonzaga, do TSE, mantiveram o registro de candidatura de Martins, mas os adversários de campanha recorreram. A diplomação da chapa, composta por Jorginho Mello, Ivete Appel da Silveira e Beto Martins, será no dia 18 de dezembro, em Florianópolis, junto com os outros eleitos no pleito de outubro.

“Espero ansioso o dia 18 de dezembro, pois será de grande satisfação, será o dia da diplomação da chapa de Jorginho Mello”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Senadores com melhores votações

Jorginho Mello ficou em segundo lugar na disputa pelo Senado nas eleições de 2018, com 1,17 milhão de votos. Lucas Esmeraldino (PSL) ficou apenas 18 mil votos atrás e Esperidião Amin (PP) foi o primeiro colocado com 1,22 milhão. Amin e Jorginho tomam posse como senadores por Santa Catarina em fevereiro, fazendo companhia a Dário Berger (MDB), eleito em 2014.

Elisiane Maciel