Por: diario | 28/09/2018

O candidato ao Governo do Estado pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), Mauro Mariani (MDB), cumpriu agenda em Rio do Sul nesta quinta-feira e ressaltou as propostas para Santa Catarina.

Na educação, Mariani disse que o Ensino Fundamental de Santa Catarina está sempre nas primeiras posições do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) e quem faz isso acontecer é o município. Já o Ensino Médio, que é de responsabilidade do Estado, está em nona colocação.

“E pior que isso, nós temos 180 mil crianças matriculadas na rede estadual e 60 mil fora da sala de aula, adolescentes que não estão estudando. Ou seja, é uma tragédia anunciada”, disparou.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

De acordo com ele, um dos primeiros passos, se eleito governador, será a realização de reformas nas salas de aula.

“Para que quando as crianças e professores cheguem, encontrem um ambiente saudável. Depois vamos fazer um grande mutirão de resgate desses alunos fora da sala de aula. Além disso, vamos aumentar significativamente o número de alunos em escolas em tempo integral, pois hoje temos 7% dos adolescentes em escola de tempo integral”.

Ele disse ainda que “para a educação não vai faltar dinheiro, é a prioridade das prioridades. Sem educação nada funciona. Nós não vamos construir a Santa Catarina que sonhamos se nós não investirmos agora”.

Quanto à infraestrutura, o candidato disse que esta é uma preocupação constante e que a BR-470 é a maior tragédia que o estado tem.

“Vamos nos empenhar pessoalmente para cobrar do Governo Federal a conclusão dessas obras o mais rápido possível. São obras fundamentais que o Governo não pode mais nos enrolar. Nós vamos ter um atitude diferente, é problema do catarinense, não importa se é obra Federal ou Estadual, o governador e vice estarão empenhados na busca de soluções”.

Ele disse ainda, que o estado tem mais de quatro mil quilômetros de rodovias estaduais pavimentadas, mas que não há um recurso separado todos os meses para fazer a manutenção.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

“Nós vamos criar um fundo estadual de infraestrutura que garanta R$ 100 milhões por ano para fazer a manutenção. Com isso vamos manter uma condição aceitável das vias e buscar financiamento para executar as grandes obras rodoviárias, o que não podemos fazer é pegar dinheiro para fazer conservação”.

Na área de segurança pública, Mariani disse que todos os anos, 600 policias militares vão para a reserva e que não há reposição desses profissionais.

“Estamos com dois mil policiais a menos do que deveríamos ter. Vamos repor os policias que passam para a reserva. Além disso, precisamos equipar a nossa Polícia, dar condições para que ela possa trabalhar. A Polícia Civil é outro ponto, ela que faz as investigações e que instrui os processos e tem mil policiais a menos do que deveria ter. Por outro lado temos 300 policiais trabalhando no Detran, por exemplo, carimbando documentos. Será que não podemos fazer de forma mais moderna?”.

Ele ressaltou que a ideia é que os policiais combatam o crime organizado “com muita força”, mas principalmente com técnicos da Fazenda, “porque nós vamos pegar o crime organizado pela lavagem de dinheiro”.

Quanto aos apenados, o candidato contou que Santa Catarina tem 22 mil apenados, dos quais sete mil estão em penitenciárias industriais e que as estatísticas dizem que 90% dos detentos que cumprem a pena nas indústrias se recuperam, e os que vão para os presídios comuns, se especializam no crime.

“Já temos o modelo e temos que avançar nesse sentido. Na medida do possível, elevar o número de detentos nas penitenciárias industriais. Eles aprendem uma profissão, ajudam a pagar as contas, porque parte do salário vem para o Governo do Estado e dão alguma efetividade para a sociedade catarinense. Essa é uma mão de obra importante para as indústrias. Há interesse da iniciativa privada também em participar desse processo o que nós temos é que conjugar as forças, organizar isso para avançar na questão”.

Quanto à situação financeira do Estado, Mariani disse que o ex-governador fez o maior volume de financiamentos da história de Santa Catarina, com cerca de R$10 bilhões nos últimos sete anos.

“O que acontece é que o Estado está com dificuldade a curto prazo, não tomou toda a capacidade de endividamento mas tomou toda a possibilidade de pagamento. Nós temos que equalizar a curto prazo, alongar o perfil da dívida, que é fundamental”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Por outro lado, ele disse que é necessário um “torniquete no gasto público” para “estrangular o gasto público”, pois não há mais dinheiro para desperdício.

“O Governo joga fora dinheiro com a ineficiência em todas as áreas. Nós vamos apertar no custeio para sobrar dinheiro e entregar serviço lá na ponta. Seja na infraestrutura, na saúde ou na educação”, finaliza.

Susana Lima
Elisiane Maciel