Por: diario | 16/08/2017

Na noite da última segunda-feira (15), a novela envolvendo os recursos obtidos em 2009 para a realização da 20ª Kegelfest e o Natal em Rio do Sul ganhou mais um capítulo importante. Após o Ministério do Turismo solicitar a devolução de R$ 840 mil pelo Município e o cancelamento da festa ter sido anunciada neste ano pela gestão municipal, agora a Câmara de Vereadores autorizou a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigação das irregularidades na prestação de contas dos eventos, que culminaram nessa cobrança exorbitante por parte do Ministério.

Ainda, durante a mesma sessão, a Casa de Leis aprovou por cinco votos a quatro o parcelamento da dívida por parte do Poder Executivo, que, segundo relatou o vereador Fernando Cesar Souza (PMDB), o Nandu, novamente utilizou da justificativa de que caso não fosse aprovado, o Município seria negativado e ficaria impossibilitado de acessar determinadas verbas e programas.

A abertura da CPI foi assinada por todos os parlamentares, o que demonstra a unidade na busca por esclarecimentos objetivos. Nesse sentido, o vereador do PMDB diz que os legisladores se comprometeram em não levar o caso para a “politicagem” e trabalharão pelo município. “A gente conversou e não vai usar disso. Porque quando se fala em CPI, todo mundo já se arrepia e acha que há corrupção e não é isso, queremos saber por que houve um pedido de parcelamento sem haver documentação nenhuma”, afirmou.

O presidente do Poder Legislativo, Francisco Goetten de Lima, também concedeu entrevista ao Jornal Diário do Alto Vale nesse tom, pontuando que os trabalhos têm como intuito deixar os fatos expostos, e não as pessoas antes de uma investigação minuciosa. “Desejamos que seja uma legalidade que estejamos resgatando, a gente quer encontrar ali a veracidade da situação. Agora vamos montar as comissões, sendo representada por todos os partidos, não queremos ser tendenciosos e com certeza o resultado será muito positivo”, explicou Goetten de Lima.

Os vereadores ainda fizeram o pedido para que a Prefeitura também busque investigar os fatos internamente, e que seja aberta uma sindicância no Executivo. Segundo informou Nandu, serão questionadas as pessoas que compunham o governo no ano de 2009 e também os sucessores daquela gestão, que não efetivaram os pagamentos. “Foram feitas mais de oito defesas, e todas elas foram negadas pelo Ministério do Turismo”, disse Nandu.
Ele salienta ainda que o desfecho da CPI pode ser positivo no sentido de que seja concluído que a Prefeitura não cometeu irregularidades. “Existe também a situação que a gente pode investigar e a irregularidade não estar aqui, pode ser que na prestação de contas o Ministério tenha achado outra situação”, finaliza o vereador.

Airton Ramos