Por: diario | 22/08/2019

O nadador Bruno Becker da Silva, da Fundação Municipal de Desportos (FMD) de Rio do Sul, representa o Brasil na disputa dos Jogos Parapan-Americanos de 2019, que será disputado em Lima, no Peru, a partir desta sexta-feira (23) seguindo até o dia 1º de setembro. Bruno é o primeiro rio-sulense a fazer parte da delegação brasileira neste tipo de jogos, fazendo parte de uma delegação de 337 atletas e outras 176 pessoas de comissões técnicas, que representam o país na principal competição paraolímpica do continente.

A equipe de natação tem 40 atletas e 21 staffs, que são os acompanhantes. De acordo com o técnico de Bruno Becker, Alan Helbok, essa é a maior delegação do Brasil da história na competição. Ele explicou que além de todo conhecimento e aprendizado, o Parapan serve de preparação para o Campeonato Mundial que acontece em Londres.
“O Parapan é uma realização pessoal do Bruno e ele está bem preparado para isso, treinou muito e será especial essa competição que servirá de visibilidade para patrocínios, além de estar próximo de nadadores mais competitivos, visando à preparação para o Mundial que dá índices para a Paraolimpíada de Tóquio”, comentou o treinador, citando que Bruno competirá nas provas dos 50, 100 e 200 metros nado livre, tendo chance de conquistar duas medalhas de bronze e uma prata, pelo tempo que veio fazendo nos treinamentos.

Bruno comentou que competir nos Jogos Parapan-Americanos é um sonho, destacando a grande estrutura envolvida em uma competição desse nível, citando as acomodações da vila dos atletas, além da ampla delegação de apoio organizada pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB).

“Estamos desfrutando desse momento e aprendendo muito, observando cada detalhe e conversando com todos os profissionais para poder fazer o melhor dentro da piscina. Estou muito feliz e tomara que consiga fazer boas marcas, visando especialmente o Campeonato Mundial, em Londres”, comentou.

Histórico de conquistas

Todas as 17 modalidades terão representantes nacionais. O Brasil busca repetir o feito das três últimas edições dos jogos continentais. Desde o Rio 2007, quando a competição passou a ser realizada na mesma sede dos Jogos Pan-Americanos (tal qual ocorre nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos), os atletas brasileiros não conhecem outro resultado que não seja o primeiro lugar no quadro geral de medalhas. Foi assim em 2007, em Guadalajara 2011 e em Toronto 2015. Neste último, foram obtidas 257 medalhas, das quais, 109 de ouro, 74 de prata e 74 de bronze.