Por: Guilherme Reginatto | 19/10/2018

Na sexta-feira (19), foi ao ar no Jornal Regional da RBA TV uma reportagem contando a história de superação do jovem Caio Lunelli de Ibirama que praticava o downhill e sofreu uma queda grave em 2016 durante um treino para uma competição importante no Rio Grande do Sul. Caio foi levado às pressas para o hospital e chegou a ser diagnosticado com tetraplegia. Os médicos chegaram a dizer que o atleta dificilmente voltaria a andar. Acontece que dois anos depois, com muita força de vontade, o Caio deu os primeiros passos. O Caio é sim um grande exemplo de vida, uma pessoa inspiradora. Mas além de parabenizá-lo, quero destacar aqui o belíssimo trabalho dos meus colegas de RBA TV Adriele Nardelli e Volnei Hellmann. A reportagem ficou linda, uma história contada exatamente do jeito que tinha que ser. É um material daqueles para ser guardado e visto no futuro com orgulho. Há de se ter muita sensibilidade para construir o texto e captar as imagens em casos como esse e ambos foram impecáveis. Parabéns amigos, o Caio merecia uma reportagem à altura de sua fé.

Sobre o VAR

Sobre os lances polêmicos envolvendo o VAR na final da Copa do Brasil, já externei minha opinião nas redes sociais e reitero aqui: O lance do pênalti, na minha opinião, é discutível. Apesar de grande parte da imprensa entender que não houve o pênalti, eu não tenho tanta convicção assim da inexistência da falta, vai da interpretação do árbitro. Já no caso da falta do Jadson, o lance é claríssimo, nem cabe discussão, o Jadson faz, sim, falta no Dédé. Quem já jogou futebol sabe bem o que o meia do Corinthians fez, deu o famoso “migué”, viu que ia perder a disputa de bola e levantou o braço PROPOSITALMENTE para atingir o pescoço do zagueiro, e o fez de forma bem rápida, justamente pra que ninguém visse. O problema é que esse tipo de “migué” com o VAR não vai mais colar. Ok, concordo que o Dedé valorizou o lance. Mas houve a falta, e a falta se dá não apenas pelo contato, mas sim pelo fato de o contato ter sido provocado propositalmente, o Jadson teve sim a intenção de atingir o Dedé, até por isso levou cartão amarelo. Acertou o árbitro. Ainda sobre o VAR, eu continuo achando que ele é necessário. O VAR não vai extinguir os erros, mas vai reduzi-los. Além do mais, quando há algum problema, este problema não está no equipamento, e sim no ser humano. O recurso da imagem é ótimo, ele só ajuda, acontece que o árbitro precisa estar preparado para interpretar da forma correta.

Transferida

A final do Campeonato Citadino de Kart de Rio do Sul que aconteceria nesse domingo (21), foi transferida para o dia 02/12, anota aí! A mudança de data se deu em função de uma prova de nível estadual que vai acontecer e desfalcaria a competição aqui na capital do Alto Vale.

Da terra para o asfalto

O piloto ibiramense da Stock Opala 5000, Willian Jaeger aproveitou a folga no Campeonato Catarinense de Velocidade na terra para se aventurar em uma pista diferente. No domingo (21) ele disputa uma etapa do Campeonato Paranaense de Asfalto. Por lá ele vai enfrentar ômegas com motores melhores que o dele, mas aceitou o desafio para treinar e testar o carro. Foi preciso fazer mudanças significativas no setup do opalão para encaixá-lo no asfalto, já que ajuste para a terra é totalmente diferente. Em relação ao estadual de terra em que Willian é líder, ainda restam duas etapas para o fim da competição, a próxima é em São Bento do Sul, e a última em Mafra.