Por: Guilherme Reginatto | 27/11/2018

Felipão tá longe de ser um técnico rebuscado e moderno, mas tem algo, além do vasto conhecimento, que faz toda a diferença no futebol brasileiro: pulso firme. Felipe Melo, ao fim do jogo, comemorando o título, fez o seguinte comentário se referindo a Felipão: “Quando ele chegou, chegou a autoridade máxima! ” Essa frase fiz muito. Um grupo estrelado aqui no Brasil precisa de comando e isso só quem tem história na bola pode dar. Felipão é simplesmente o último treinador a ganhar uma Copa do Mundo com a seleção brasileiro. Ao jogador, só cabe acatar o que ele diz e abaixar a cabeça. Dessa forma o negócio funciona. São 22 jogos sem perder no brasileirão, melhor ataque, melhor defesa. Quando Scolari chegou o time era o sexto na tabela, oito pontos atrás do líder, não liderava nenhuma estatística. A mudança de comando rendeu o título brasileiro (indiscutível) ao Palmeiras.

Tetra “cheirinho”

Como flamenguista já escutei muita zoação de domingo pra cá, e tenho que aguentar, né? Sou daqueles que leva na boa a brincadeira, sei que isso faz parte do futebol e é o que torna esse universo tão divertido. O Fla “quase” ganhou o Brasileiro de 2016, a Copa do Brasil e a Sula do ano passado e o Brasileiro desse ano, por isso a brincadeira do “tetra cheirinho”, cheirinho, aliás é uma expressão que o próprio flamenguista criou. Para sair do quase ainda falta algo, falta maturidade, falta “cancha”, falta imposição, espírito de campeão, poder de decisão, quesitos já incorporados a clubes como Palmeiras, Cruzeiro, Grêmio e até Corinthians. O campeonato não acabou domingo, acabou quando o rubro-negro não teve capacidade para bater o Palmeiras em casa e o Botafogo. Enquanto isso o Palmeiras acumula 22 jogos de invencibilidade. Essa é a diferença. Quem tá pronto pra ser campeão não vacila, vence.

Complicou

O que parecia impossível pode se tornar realidade: o Fluminense ser rebaixado para a série B! Já são sete jogos sem vencer e sem fazer gols. O tricolor encara agora o América-MG em casa, se perder coloca um pé na segundona. Será?

Coisa rara de se ver!

Ainda falando da Copa RBA/Krona, na final nenhum dos três irmãos Paranhos estava em campo. Vaé, Jerson e Rodrigo costumam estar presente nas decisões até pela grande qualidade técnica que possuem. Certamente no ano que vem eles estarão de volta com mais sede de título!

Que vitória

A garotada do futsal sub15 do colégio Ruy Barbosa que representa a FMD de Rio do Sul está a um passo de chegar à final do campeonato estadual, o que seria um feito histórico pra cidade. Os garotos comandados pelo técnico Régis venceram o CRC de Chapecó fora de casa no jogo de ida da semifinal por 4 a 3, um empate diante da torcida dá a vaga para a decisão aos rio-sulenses. A partida ainda não tem data definida.

O título dos amigos

A taça da Copa RBA/Krona de futebol society ficou nas mãos de um grupo de amigos. Jogadores que cresceram juntos, vestiram a camisa de Rio do Sul juntos e seguem dando alegrias por quem torce pelo seu sucesso. Tive o privilégio de, na época de atleta, jogar futsal ao lado de alguns deles como Joan, Fabão, Rafa Vignóli, Willian Constante e Jeison. Na grande final, representando a Arena Tite/Vipcel Tim eles desbancaram feras como Deca, Dinho, Dimas e Mateus Boing que vestiam a camisa Óptica Cristal/Visul Vistorias, placar de 3 a 2 e R$ 7 mil no bolso. Que venha a próxima Copa RBA!