Por: Guilherme Reginatto | 08/01/2019

Existe um esporte que era pouco (ou quase nada) conhecido e que agora virou febre. Trata-se do Beach Tennis ou tênis de praia, já ouviu falar? Fizemos uma reportagem na RBA TV sobre essa modalidade quando ela começou a ganhar adeptos no Esporte Clube Concórdia. Conversando com alguns amigos que praticam o Beach Tennis, soube que a quantidade de pessoas interessadas em “brincar” só cresce. O clube, inclusive, pretende aumentar o número de quadras. Pra completar, fui passar uns dias em Balneário Camboriú nesse período de festas e me surpreendi com a febre que virou esse esporte. A galera é emprenhada, acorda cedo, monta a rede, usa a vestimenta adequada e até raquete profissional que pode custar mais de mil reais. Fiquei assistindo algumas partidas e confesso que gostei muito, é uma atividade inclusiva, qualquer pessoa pode praticar, é intensa mas sem exigir demais da força, a técnica é que conta. Ficou curioso pra saber como é esse esporte? Então se liga no próximo texto.

O Beach Tennis

Pode-se dizer que o Beach Tennis é uma evolução do popular Frescobol. A partida obviamente é disputada na areia e pode ser em duplas ou individual. O tamanho da quadra é mais ou menos 16x8m e a rede tem 1,70m de altura, é mais baixa do que a do vôlei e do futvôlei. O objetivo é simples, cada jogador tem que devolver a bola para o lado adversário com apenas uma raquetada, se deixar a bola cair na areia perde o ponto. A contagem dos pontos segue a do tênis convencional. A bolinha lembra a do tênis convencional, é do mesmo tamanho, mas é mais leve. Já as raquetes são bem diferentes, não possuem cordas, são menores e feitas em geral de carbono. O bacana é que a galera disputa partidas em duplas mistas, casal contra casal, é diversão na certa (se você não for muito competitivo rsrsrs).

Estamos voltando!

O programa Hora da Resenha, o qual apresento na 93,3 FM tirou uns dias de folga, mas logo logo estaremos voltando com muitas novidades hein! Fica ligado na programação da rádio que já já a resenha com meus amigos Ivan Borgonovo, Paulão e Cesinha vai estar de volta. Se uma hora de programa já era bom, imagina o que vem por aí! Por enquanto ainda não posso revelar… Aguardem!

Santa Balneário

Como já citei aqui na Coluna, passei uns dias em Balneário curtindo férias e pra quem gosta da mistura entre praia e esporte essa cidade é um verdadeiro paraíso. Dá gosto de ver a galera correndo, pedalando, andando de skate, patins e jogando beach tennis ou futvôlei. Por falar em futvôlei, eu dei muita sorte, não por ter vencido algum campeonato por lá (até porque sigo com o joelho “baleado”), mas por ter encontrado ex-craques do nosso futebol. Denílson Show, Perdigão (campeão mundial com o Inter) e Edílson Capetinha estavam lá para jogar a Pelada dos Amigos, evento organizado pelo meu amigo Dado. Por coincidência estavam jogando futvôlei e fazendo uma roda de samba na praia exatamente em frente a rua em que eu estava. Logo no primeiro dia fui pra praia e dei de cara com eles! Como não sou bobo nem nada aproveitei pra tirar aquela foto. Quando se trata de gente que fez história no futebol, sou fã.

Frio na barriga

Já comentei por aqui em outras oportunidades sobre a lesão que tive no joelho. Foi uma bobeira, um lance despretencioso em uma partida festiva. Foi tentar roubar uma bola, girei o corpo, o pé estava firme no chão, resultado? Rompimento do ligamento cruzado anterior. Estou prestes a fazer a cirurgia e confesso que tô um pouco nervoso. Nunca passei por um procedimento cirúrgico. Amigos que já passaram por isso dizem que é tranquilo, mas não sei não. Talvez o pior seja o pós-operatório, muitas seções de fisioterapia e dedicação na recuperação física (aliás, to precisando! Rsrsrs). Desejem-me sorte!