Por: Elisiane Maciel | 30/04/2018

Hoje vou falar de um tema bastante polêmico e quase não aceito em nossa sociedade: a opção de não ter filhos. Muitas pessoas estão adotando essa cultura hoje em dia, e sendo muito criticados por toda população. Não ter filhos nos dias atuais é uma opção e que deve ser respeitada.
“Ahh, mas você é uma dessas que não quer ter filhos?” Não digo que não, nem que sim. Muitas vezes quando você menos espera pode gerar uma criança. Mas se for me perguntar se planejo ter filhos, minha resposta é: no momento não. E sabe, ouço muitas críticas sobre isso. As pessoas pouco faltam gritar me dizendo que devo ter filhos sim! E sei que serei muito criticada com a coluna desta semana.
“Mass porquê?” “Você não gosta de crianças?” Totalmente o contrário! Eu amo crianças! Eu amo minhas sobrinhas e meu afilhado! Por eles sou capaz de tudo! Sou superprotetora e faço o que for preciso para defendê-los. Mas ainda não me vejo como uma mãe. Tenho medo de colocar uma criança no mundo para talvez sofrer. Para educar de uma maneira e a sociedade de outra. Tenho medo de não ser uma boa mãe. Ainda me vejo só como filha. Tenho medo da violência que sofremos. Da falta de confiança no outro. Do egoísmo que as pessoas tem em relação ao próximo.
Quem sabe eu ainda tenha maturidade suficiente para gerar uma linda criança. Mas no momento não. É uma opção minha. Tenho traçada outra meta no momento. Também tenho planos. “Ahh, mas e quando você for velha? Quem vai cuidar de você?” Certamente quando eu for velha irei para um asilo. Ou talvez terei um cuidador para me auxiliar. Mas quem garante que se eu tiver filhos eles realmente me cuidarão? por melhores e mais educados que sejam, eu acredito que se você coloca uma criança no mundo só pensando que a quer para cuidar de você na velhice, é egoísmo seu.
Não vou mentir. Eu tenho muito mais medo de pecar como mãe por pôr a criança em um mundo futuro que eu não sei como será. E depois, e se eu não aderir a essa opção de aumentar minha família? Essa é uma decisão só do casal. Uns querem só estudar, outros viajar, investir. “Ah mas com filhos não dá de fazer o mesmo?” Claro que sim! Mas vivemos hoje em um mundo livre, e se decidir que quer fazer tudo sozinho, ninguém pode impedir.
É claro que essa cultura atual vai tornar o mundo mais velho. Com menos crianças. Mas ter filhos é uma escolha, não é uma coisa inevitável. Até o momento eu e meu parceiro decidimos por não ter filhos. No nosso ponto de vista, é uma atitude responsável, ao invés de simplesmente cumprir cegamente a expectativa da sociedade, ou da família, para agradar os outros.
Não ter filhos significa levar muitos fatores em conta. Eu penso em muita coisa. Estou muito preocupada com nosso mundo. Se eu for mais fundo na questão social, acho realmente que o mundo neste momento está contra a criança. Neste momento em nossa estrutura social, não é uma boa coisa ter filhos. A educação no Brasil não é das melhores, a criminalidade só aumenta.
Meu parceiro e eu discutimos muito sobre ter filhos, ou não. Nossa resposta até o momento sempre foi não. “Mas o tempo está passando… Logo você estará velha demais para ter filhos” … Sim eu sei! Mas no momento temos planos, e sabemos que se formos gerar um filho, teremos que abandonar estes planos e fazer outros. Aí nessa hora vem aquelas primas – que tem vários filhos – e pouco faltam te bater: “Eu tenho filhos e nunca deixei de fazer meus planos. A gente dá um jeito!”. Gente, eu sei que dá de dar um jeito. Que não é o fim do mundo. Mas cada um tem uma opinião, e a minha no momento é não. É claro que se eu engravidar vou aceitar a criança de braços abertos e vou tentar ser o melhor pra ela. Mas não quero, é minha decisão momentânea!
Não me critique! Preciso ser responsável e admitir que não planejo, do que atender as expectativas de pessoas que nem ao menos se importam comigo. Prefiro continuar dando a cara a bater que ter que mudar minha vida e de meu marido para agradar as pessoas.
Eu queria que isso fosse visto como uma decisão como outra qualquer. Eu queria que mais pessoas pensassem em refletir sobre isso. Ou seja, queria que fosse normal decidir se você vai ou não ter filhos. As pessoas têm dificuldade para aceitar o fato de que nem toda mulher quer reproduzir. Dizem que vou mudar de ideia quando me formar, ter 30 anos… Mas estou quase com 30, na segunda Graduação e ainda não penso em ter. Eu sei que o amor de uma mãe por um filho é único. Mas no momento, prefiro continuar sentindo esse amor único e não igual por meus pais, irmãos e companheiro.
E quem sabe daqui uns anos eu decida ser mãe. Ou até lá aconteça de gerar um filho (a).