Por: Elisiane Maciel | 25/10/2018

Está cada vez mais difícil viver dentro de alguns “limites” que a própria sociedade impôs. Está tão difícil, que às vezes você duvida até mesmo do que sempre acreditou. Que você acaba duvidando e deixando de lado seus ideais com medo da rejeição que está dominando as pessoas.

Eu não sei se somente eu penso assim, mas hoje decidi escrever como está difícil você expressar sua opinião verdadeira sem ser julgado. Primeiro assunto, e o mais delicado: homofobia. Pois bem, não sou homofóbica, tenho amigos homossexuais e inclusive pessoas próximas da minha família que convivem com o par conjugalmente, e para ser sincera, não vejo problema nenhum. Nunca em toda minha vida, nem mesmo quando não tinha tanta proximidade, tive qualquer tipo de preconceito. Até porque eu não teria o porquê de ter. Na minha visão não há nada de errado em não ser heterossexual. A vida é de cada um e cada pessoa decide fazer o que é melhor.

Só que sabe porque hoje em dia está difícil algumas situações? Porque você está na era de não poder expressar sua opinião sem medo, porque se uma palavra sair como não deveria, você pode ser taxado de inúmeras coisas que você não é.

Até hoje, nunca recebi uma bronca ou uma chamada de atenção de quem realmente é homossexual, porque na verdade, por eu ser totalmente a favor das preferências sexuais de cada um, nunca ofendi ninguém. Mas, o problema não são essas pessoas, são os heterossexuais que se acham os protetores do universo e que tiram todo o tempo do mundo só para observar o que você fala, para tentar tirar uma “brecha”, bem sem noção, e te acusar de homofóbico.

Ainda não me acusaram disso, até porque se fosse eu entraria no tapa, pois não sou, mas sei, que em qualquer lugar que eu esteja, tenho que cuidar com tudo que eu falo que eu poderei de alguma maneira, ofender alguém.

O mesmo vale para racismo. Pelo amor de Deus. Desde que eu era pequena meus pais sempre me educaram dizendo que não existia raça e que todos eram iguais. Só que o problema, é que me criei no interior, e quem se cria lá, acaba pegando algumas gírias, que você não consegue tirar do vocabulário. E o pior é que mesmo cuidando, uma vez ou outra essas palavrinhas escapam da sua boca. Aí segura coração, porque a briga já está feita! Sei que muita gente vai discordar de minhas opiniões, até porque cada um tem uma, mas nem tudo é racismo. Algumas palavras são realmente ofensivas e nem teria coragem de falar à alguém, como chamar de “preto”, insensivelmente de “macaco”, que eu considero o pior, “negão”, “amarelo”, são tantas que ficaria aqui até amanhã. Realmente isso sim seria racismo. Até porque ninguém chama o outro de macaco sem ter maldade e preconceito. Mas eu conheço muita gente, que tem apelidos que hoje seriam tachados de racistas, mas que elas mesmo aceitam por não ter nada demais. Só que é quase impossível falar abertamente sobre estes temas hoje, pelo medo que se tem de falar alguma coisa que possa ser considerada errada, e se lascar por uma vida inteira.

Gostaria de reforçar aqui, que como já retratei em um texto anterior, sofri bullyng dos 8 aos 20 anos, diariamente, sem parar. E não era bullyng qualquer não, era dos terríveis. Chorava todos os dias, tinha vergonha de atravessar uma faixa de pedestre, de conversar com as pessoas. Então me diga, porque eu faria mal para alguém sabendo como dói ser magoado ou julgado? Que ainda há racismo e que existe muita homofobia em nosso país a gente sabe. Mas nem todo mundo é! Por isso, antes de julgar alguém, analise bem as atitudes desta pessoa. Até porque uma pessoa homofóbica e racista não mede palavras e atitudes por onde ela passa, o que fica bem fácil de apontar. Ou seja, não gaste seu tempo discutindo com pessoas que você sabe que não são nenhuma dessas coisas. É chato sabe! Você não ser nem racista nem homofóbico, todos saberem disso, mas mesmo assim você ter que ficar explicando em algumas situações que você não é.

Acho que precisamos de um mundo menos. Menos chato. Menos intolerante. Menos homofóbico e racista e menos fofoqueiro. Precisamos também de mais amor, mais respeito, mais liberdade, mais direito de expressar as opiniões, de ser ouvido.

Agora, saindo do tema de homofobia e racismo, e focando mais no tema de opinião, gostaria de dizer que você tem sua opinião, eu, o fulano e o ciclano, também temos. Ou seja, você precisa respeitar isso. Se você gosta da cor laranja e eu da azul, nós dois devemos ter respeito mútuo no que cada um prefere. É totalmente errado eu te chamar de sem noção, ou sem conhecimento porque você gosta de laranja e não de azul. E é exatamente isso que também nos aflige hoje em dia. Sua opinião não tem mais valor em algumas ocasiões ou grupos. O que vai te deixando isolado, porque se você não puder nem defender seus ideias, não precisa de grupo para conviver, não é mesmo? O respeito vai além de raça, de classe ou de gênero sexual. O respeito começa na hora de aceitar a opinião do outro. Por isso somos seres humanos diferentes, porque cada um pensa diferente.

Para finalizar, quero deixar claro que não estou escrevendo este texto por preferência política nenhuma. Porque senão, daqui a pouco ainda vão dizer que estou fazendo campanha para um dos presidenciáveis. Está vendo como é difícil se expressar nos dias de hoje? Você precisa se explicar em tudo, mesmo quando não precisa de explicação!