Por: Elisiane Maciel | 21/06/2018

Lembro-me há alguns anos, de ter lido em um desses livrinhos de novena, que tratava de uma história. Não sei se era real ou não. Mas uso isso sempre em minha vida. E hoje, usarei como gancho em minha coluna.
A história é curta mas direta. Tratava-se de uma mulher ranzinza, chata, mas principalmente fofoqueira. Daquele tipo de pessoa que não sabe passar mais de meia hora do dia sem achar defeito em alguém. Vou contar brevemente…

Ela era recém casada, e sempre que a vizinha lavava roupas, principalmente as brancas e os lençóis, a mulher ia até a janela e dizia ao marido “Mas que lençóis sujos ela está pendurando no varal! Provavelmente ela está precisando de um sabão novo. Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas”.

O marido observava calado. Alguns dias depois, novamente a vizinha pendurava os lençóis no varal. E a mulher continuava com o discurso. E assim, a cada dois ou três dias, a mulher repetia a fala, enquanto a vizinha pendurava suas roupas no varal.
Até que um dia, a mulher se surpreendeu ao ver os lençóis brancos sendo estendidos. E empolgada disse ao marido: “Veja! Ela aprendeu a lavar as roupas! Será que a outra vizinha a ensinou? Porque, não fui eu quem a ensinei”. O marido calmamente respondeu: “Não! É que hoje eu levantei mais cedo e lavei os vidros das nossas janelas”!

Hoje fiz diferente meu texto, contando uma historinha de introdução, para você ver a maneira de que está levando a vida. Se você é o tipo de pessoa que não limpa a janela mas cuida dos outros pense nisso! Na vida da gente tudo é assim. Tudo vai depender da janela que você escolher para observar os fatos. Para criticar o mundo.

É sempre importante lembrar, que antes de criticar, você deve avaliar a si mesmo. Confira se você fez alguma coisa para contribuir. Verifique os próprios defeitos e limitações antes de criticar o dos outros. Sei que falar dos outros é muito mais fácil e melhor. E sabe porquê? Porque são poucos os que conseguem enxergar os próprios defeitos. São poucos que admitem a imperfeição. Porque assumir erros e defeitos exige muita coragem.

Assumir nossa ignorância exige muita humildade. É mais simples jogarmos nossos erros para o outro e evitarmos de olhar para nós mesmos. O esforço é exigente, sem dúvida nenhuma. Mas vale a pena. É recompensador. Mesmo não sendo fácil isso nos ajuda a melhorar.

Depois que você encontrar seus próprios defeitos e conhecer alguém que vive vendo o mundo por detrás da vidraça suja, encoraje essa pessoa a melhorar. Ajude a pessoa a lavar esse vidro que embaça a vida e auxilie ela a enxergar por vidraças limpas.

Além disso, também podemos concluir que, muitas vezes, o melhor modo que encontramos de lutar contra os nossos defeitos é vê-los “encarnados” em outra pessoa. Quantas vezes você deixou a janela da sua vida suja e olhou o mundo através dela?

Devemos olhar, antes de tudo, para dentro de nós mesmos. Só assim poderemos ter uma real noção do valor de nossos amigos. Assuma os seus erros da mesma forma que você exibe as suas qualidades ou encontra os defeitos em outros.
Lave sua vidraça. Abra sua janela!