Por: Cláudio Prisco Paraíso | 19/02/2019

Obviamente, o ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes, não deixou o PSDB para ir pra casa. Aos 35 anos, ele tem brilhante carreira política diante de si. Jovem, articulado, sem máculas administrativas, apesar dos dois mandatos à frente da terceira maior cidade catarinense.

O ex-tucano não definiu para onde vai. Observará o panorama. Muitas coisas podem mudar. Por exemplo. Haverá janela para troca partidária agora em março/abril? Se tiver, permitirá a migração de parlamentares. Outro ponto importante. Há 75 pedidos de formação de novos partidos no TSE. Haverá reforma política? Esta não é a prioridade do governo. Traduzindo, muita coisa deve e vai mudar.

O próprio presidente e seus meninos já falam abertamente em mudar de legenda. Estariam de olho na ressurreição da União Democrática Nacional (UDN), uma das 75 legendas que estão na fila do tribunal eleitoral.

Nomes
Existe toda uma reacomodação em curso no cenário política do Estado. Napoleão deve levar bons nomes para onde for. O deputado federal Carlos Chiodini está observando também. Não deve ficar sob a tutela de Dário Berger. Sem falar em Gean Loureiro, prefeito da Capital, que também ensaia nova mudança partidária. E Gelson Merisio? Ficará no PSD? Todos esses nomes podem convergir em um novo projeto? Alguns, certamente.

Interferência
O jogo parece que está combinado no PSDB. Eis um dos motivos para a saída repentina de Napoleão Bernardes. Marcos Vieira, dizem os bastidores, teria se acertado com o senador Jorginho Mello, hoje do PR, ou PL. Mello foi tucano por muitos anos. Ele e Vieira se conhecem bem. E o ex-tucano agora pode influenciar os destinos do partido de Aécio Neves pelas mãos do suplente Beto Martins!

Salvação
Sem Napoleão, o PSDB perde a grande chance de investir na renovação. Sobram dois nomes que poderiam dar fôlego ao partido. Geovânia de Sá, deputada federal que fez bela reeleição, e o ex-deputado federal e ex-prefeito de Joinville, Marco Tebadli.

Ela de volta
A deputada federal Angela Amin (PP) apresentou projeto de lei para estender aos consumidores das concessionárias de distribuição de energia elétrica de pequeno porte a mesma subvenção aplicada aos consumidores das cooperativas de eletrificação rural. É a primeira proposta da parlamentar na atual legislatura.

Maiores tarifas
A deputada citou o caso de Santa Catarina, onde as pequenas concessionárias apresentam as maiores tarifas, que também estão entre as mais caras do país, enquanto as áreas atendidas pelas cooperativas de eletrificação possuem tarifas mais baratas, em razão do “legítimo mecanismo de subvenção” previsto na lei 10.438. Angela, bem ao seu estilo, está de volta.

Doação
O deputado federal, Carlos Chiodini (MDB), anunciou que irá doar o auxílio mudança recebido pela Câmara Federal para o Corpo de Bombeiros Voluntários de Jaraguá do Sul. O valor líquido, de aproximadamente R$ 26 mil, será doado de forma integral para entidade.

“Em vez de devolver para Câmara, vamos doar para esta entidade centenária que realiza um trabalho maravilhoso para sociedade jaraguaense e catarinense. Assim que receber o dinheiro, que deve ser até o fim do mês, faremos a doação”, afirmou o deputado.