Por: diario | 10/01/2019

Mais uma vez a Associação Protetora dos Animais Desamparados (Apad) de Rio do Sul está passando por dificuldades financeiras e por falta de voluntários. São mais de R$ 15 mil em dívidas não pagas de 2018 e o número de animais acolhidos e que precisam de atendimento veterinário só aumenta.

De acordo com o diretor Financeiro da Associação, Jailson Losi, os problemas continuam os mesmos do último ano. Hoje são mais de 70 animais que estão sendo acolhidos pela Apad, sendo que a Associação conta com apenas seis voluntários, não possui sede, nem veterinário, e enfrenta muitas dificuldades, pois todos os animais são abrigados junto às casas dos voluntários.

“Falta voluntário, falta dinheiro, falta espaço, falta consciência das pessoas. O pessoal abusa bastante, por exemplo ontem (9) soltaram uma cachorra com cinco filhotes, aí um já foi atropelado e uma pessoa recolheu, mas no mesmo momento já pediu para que a gente fosse recolher da casa dela, e só neste ano já tiveram uns quatro casos semelhantes. Mas o pessoal não toma consciência de que não temos lar temporário, não temos onde colocar mais animais”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Além dos 70 animais que estão sendo acolhidos atualmente, Losi cita a parceria feita com o Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep) de Rio do Sul no último ano, onde foi construído um canil que hoje abriga 30 animais. “São cerca de R$ 600 economizados por dia, ou R$ 20 mil por mês”.

Outra dificuldade que a Associação passa, é o valor gasto com veterinários, internações e cuidados. Algumas clínicas fazem um valor diferenciado, com o objetivo de ajudar, porém com a quantidade de atendimentos diários fica difícil arcar com os custos.

“O grande problema é esse. A sociedade deixou de entender a Apad como uma entidade formada por voluntários, então acumulou dívidas de novo, não temos estrutura, não temos suporte e o dinheiro que vem não dá pra nada”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Entre os maiores problemas, está a falta de adoção, e, novamente, o apoio da comunidade. O diretor reafirma que a Apad é uma entidade que precisa do voluntariado e que nesse momento a participação e engajamento da população é primordial para dar sequência no trabalho prestado, assim como a empatia para quem solicita ajuda.

“Além de voluntários, para que a Associação continue funcionando, a comunidade precisa exercer o papel e ajudar. Seja como voluntários ou como doadores de ração o interesse é pequeno e muitas pessoas mostram indiferença quanto ao assunto”.

2019 inicia com dívidas

Somente em 2018, foram pagos em despesas R$ 307.910,80, e além desse valor, ficaram ainda mais de R$ 15 mil em déficit de contas atrasadas. De acordo com Losi, foram pagos os atendimentos de 220 animais e de 560 castrações.

“Mas é preciso deixar claro que são atendimentos de casos que chegaram a internar ou abrir o prontuário, pois há muitos outros atendimentos e tratamentos que os próprios voluntários fazem e que não são contabilizados”.

Com relação ao aumento nas castrações, em 2017 foram realizadas 500 pela Associação, já em 2018 o número dobrou, chegando a quase 1.300.

“Participamos de forma direta nos mutirões realizados em parceria com a prefeitura, onde foram quase 600 animais castrados só nos mutirões, ou seja, somados às da Apad, o número chega quase às 1.300 castrações, que a Apad fez e ajudou a intermediar”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Como ajudar

Quem tiver interesse em ajudar a Associação pode contribuir com doação de ração ou dinheiro. Alguns dos pontos mais acessíveis são o Pet Shop Boutikão e Brasil Atacadista, por exemplo, mas hoje as pessoas podem deixar a doação em qualquer outro local que a equipe de voluntários vai buscar.

“Nós buscamos onde a pessoa achar melhor deixar a doação, só entrar em contato conosco pelo Facebook ou WhatsApp que nós buscamos”, completou Losi.

Quem preferir contribuir com dinheiro, pode fazer um depósito na Conta Corrente da Associação, vinculada à Caixa Econômica Federal, nº 3961-0, com a operação 003 e a Agência 0423. Além disso, há caixinhas da Associação espalhadas por toda a cidade de Rio do Sul e pode ser feita a contribuição através da conta de energia elétrica.
Se alguém tiver a disponibilidade de ser voluntário, de oferecer lar temporário, quiser adotar um cachorro, ou mais, é só entrar em contato pela página no Facebook https://www.facebook.com/apadrsl/, ou pelo WhatsApp (47) 98891-2960 que os voluntários irão sanar as dúvidas.

Elisiane Maciel