Por: diario | 22/08/2017

O deputado federal Esperidião Amin (PP) é mais um pré-candidato ao Governo de Santa Catarina que cumpriu agenda pela Feira Multissetorial do Alto Vale do Itajaí (Fersul). Durante reuniões no sábado, ele foi acompanhado de correligionários e da esposa Ângela Amin até o Centro de Eventos Herman Purnhagen visitar alguns estandes.

O deputado foi ao estúdio de transmissão do Jornal Diário do Alto Vale e concedeu entrevista. Antes de entrar no mérito de questões políticas, ele elogiou o evento organizado pela Associação Empresarial de Rio do Sul (Acirs). “Rio do Sul e o Alto Vale estão todos de parabéns pela organização, pelo exemplo de capricho de todos os expositores, participantes, palestrantes, pela qualidade que a Fersul representa. Estamos aqui para aplaudir e estimular iniciativas como esta”, elogiou.

A vinda de Amin para a região faz parte do cronograma de reuniões políticas que tem ocorrido todos os meses pela sigla com vistas para 2018, quando o partido pretende lançar pelo menos um candidato a deputado estadual pelo Alto Vale e talvez mais um a deputado federal. O parlamentar observou que o partido está voltando a ganhar força e destaque na região. “Tenho procurado aqui colocar um pouco de água e fertilizante nessa raiz extraordinária da força do nosso partido. Olha, não faltou esforço para matar o nosso partido aqui no Alto Vale, chegamos a ficar sem representação política em Rio do Sul”, afirmou.

Ao elogiar os dois representantes do PP na Câmara de Vereadores de Rio do Sul, Amin também destacou que o presidente do Legislativo, Francisco Goetten de Lima, já tem as credenciais da sigla para se lançar ao Executivo. “Temos na pessoa do Chico Goetten um grande representante, um presidente exemplo de seriedade, de respeito ao dinheiro público, à sociedade e certamente, nosso futuro candidato a prefeito de Rio do Sul”, falou.

Reforma Política

O deputado federal se declarou favorável a uma reforma política no país, mas disse que votará contra o voto por distrito, ou distrito misto (Distritão) e o Fundo Partidário (Fundão), ao qual considera um contrassenso. “Isso é uma bofetada no rosto do povo brasileiro”, classificou. “O Governo está quebrado, está aumentando em R$ 20 bilhões o rombo que já tinha, no momento que está reduzindo o salário mínimo em R$ 10, você criar um fundão com R$ 3,6 bilhões para financiar campanha política, é realmente morar em outro país”, complementou.

Amin afirmou que votará contra a Proposta de Emenda à Constituição PEC 77/2003, que trata do Fundão e do Distritão. O parlamentar esclareceu que votará favorável à outra PEC, a 282/2016, que trata do fim das eleições proporcionais, a qual querem votar um destaque para que passe a vigorar já no ano que vem, e estabelece um índice mínimo de desempenho de 1,5% dos partidos nos votos nacionais. Segundo o deputado, só assim é possível acabar com o balcão de negócios que os partidos têm se tornado. “Temos excesso de partidos, hoje 36 aprovados e mais 58 por serem criados é para fazer negócio, fator de corrupção para a política”, comentou.+

2018

Sobre a possível candidatura ao Governo de Santa Catarina, Amin é cauteloso. Ele assume que é um dos nomes cotados como pré-candidato, mas citou outros nomes como o da esposa, Ângela Amin, do presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), Silvio Dreveck e do deputado federal Jorge Boeira. “Nós temos um plantel que nos orgulha, mas queremos participar de um projeto solidário, coletivo e aí não podemos impor, mas também não aceitaremos imposições”, concluiu.

Albanir Júnior