Por: diario | 20/03/2015

Dois técnicos vindos do Norte do Brasil estiveram na região nesta semana para conhecer a nova variedade de arroz SCS 121 CL. Lúcio Rezende Ferreira, engenheiro agrônomo e André Borja Reis, consultor e pesquisador na Lagoa da Confusão, em Tocantins, visitaram lavouras de arroz nos municípios de Taió, Agronômica, Rio do Sul, além de conhecer o Polo Tecnológico da Cravil, em Lontras.

Acompanhados do engenheiro agrônomo da cooperativa, Gentil Colla Junior, Lúcio e André também visitaram as Unidades de Beneficiamento de Semente, em Rio do Sul e Ascurra onde conheceram as características de rendimento da nova variedade para a indústria.

“O que fazemos normalmente é implantar áreas de testes com as variedades fornecidas pela Cravil, tentando posicionar elas nas condições de clima e solo de Tocantins, que são muito diferentes do que vocês têm aqui na região do Alto e Médio Vale, e também posicionar em relação à nutrição, principalmente com nitrogênio e a reação a doenças como o Brusone, um problema muito sério lá na região”, explicou o pesquisador, André Borja Reis.

De acordo com os técnicos que atuam no Norte do Brasil, no estado de Tocantins tem, aproximadamente, 80 mil hectares de arroz irrigado dividido em dois polos, o do Formoso do Araguaia e da Lagoa da Confusão, área que compreende cerca de 40 produtores. A produção média desta safra na Lagoa da Confusão está entre 6 a 7 mil quilos por hectare, podendo chegar, nas melhores fazendas, até 9,5 mil quilos por hectare.

“A nossa produtividade é mais baixa do que a que vocês fazem aqui em Santa Catarina devido ao déficit em material genético e manejo fitossanitário e, principalmente por causa do nosso clima. Por isso, viemos para o Alto Vale conhecer esse novo material e discutir ideias de como implantar e posicionar ele na nossa região produtora de arroz em Tocantins”, concluiu Reis. No Alto Vale, a média de produção é de 9 mil quilos por hectare, já nas principais lavouras a média sobe para até 12 mil quilos.

Há mais de 15 anos a Cravil, em parceria com empresas do Norte, leva a semente de arroz produzida em Santa Catarina, principalmente no Alto e Médio Vale para cidades do estado de Tocantins. Os rizicultores de lá já produzem as variedades SC 109, 114 e 117, para a próxima safra algumas áreas terão também a SCS 121 CL.
Na segunda e terça-feira, a Cravil recebe também um grupo de produtores e técnicos da Copagra – Cooperativa Agroindustrial do Noroeste Paranaense. Mais de 20 pessoas estarão no Alto Vale para conhecer algumas propriedades responsáveis pela produção das sementes de arroz utilizadas pelos produtores do Paraná.