Por: diario | 31/10/2018

Nessa quarta-feira, 31 de outubro, é celebrado o Dia Mundial da Poupança, data criada para a conscientização sobre a importância de preservar recursos financeiros para o futuro.

Por conta de todas as dificuldades financeiras atuais, para muitos, poupar pode ser considerado uma tarefa quase impossível. A prova é uma pesquisa realizada em mais de cem empresas brasileiras, com 2.000 funcionários de 10 estados. O levantamento feito pelo Instituto Axxus, em parceria com a Unicamp e a Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), mostrou que 80% dos colaboradores brasileiros não conseguem poupar para realizar nenhuma forma de investimento, enquanto os outros 20% aplicam em algum fundo mensalmente, ou só quando sobra.

A economista e coordenadora do curso de Ciências Econômicas do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, Marcia Fuchter, conta que a dificuldade financeira do brasileiro é a falta de formação nesse assunto, assim como o imediatismo nas compras.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

“Esse problema com finanças é falta de educação financeira é o imediatismo no momento de compra ou de planejar a vida. O imediata é aquele que não se planeja que não busca uma reeducação das suas finanças e acaba usando algumas estratégias como cartão de crédito e até mesmo o crediário, ou fazer um financiamento ou empréstimo para fazer a aquisição imediata de algum bem ou produto. E se você não faz um planejamento mensal fica complicado para conseguir dar conta”, explica Marcia.

Muitos acreditam que a solução para os problemas financeiros é ter aumento salarial ou de benefícios. Contudo, trata-se de aprender a administrar a quantia que se tem, antes mesmo de buscar mais. A economista conta que ao elaborar um orçamento financeiro que leve à conquista de seus sonhos, a pessoa aprende a equilibrar as finanças e mudar seus hábitos e comportamentos, consumindo de forma mais consciente.

“Muitas pessoas pensam que economizar é sobre uma grande quantidade de recurso, mas na verdade não, é o habito. Você precisa primeiro desenvolver o hábito de economizar um valor menor até que você consiga economizar uma maior quantia e ter consciência de que cada realidade é diferente”, explica.

Ela desenvolve ainda um projeto de educação financeira junto as escolas da cidade, onde apresenta uma cartilha de planejamento financeiro para os estudantes do terceiro ano do ensino médio. O que proporciona aos estudantes, que logo estarão no mercado de trabalho, um apoio e instrução para lidar com as finanças. Com isso aprendem a administrar os recursos financeiros que passam por suas mãos e a respeitar o limite de seu padrão de vida.

“Precisamos levar isso para sala de aula, debater isso com os nossos alunos, seja na graduação ou no ensino fundamental, porque é um hábito que se cria desde pequeno. Porque quando você chegar na vida adulta você já tem todo o conhecimento para pôr em prática”.

Marcia dá algumas dicas para começar a poupar hoje mesmo. “Controle os gastos, as despesas, as receitas. Verifique no final do mês se faltou ou sobrou dinheiro. Se faltou quais as formas adequadas para tentar resolver essa situação. Se sobrou o que pode ser feito com esse recurso. E começar a praticar o ato de poupar, mesmo que seja pouco”, finaliza.

Susana Lima

Veja também as últimas atualizações: