Por: diario | 13/02/2018

De acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), referente ao mês de janeiro, divulgado nesta quinta-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a primeira estimativa de 2018 para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, apresentou uma redução de 6,0% em relação ao ano anterior.

Em relação a 2017, houve acréscimo de 2% na área da soja e reduções de 7,1% na área do milho e de 3,3% na área de arroz.
A estimativa de janeiro para 2018, é de 226,1 milhões de toneladas. Se comparadas as safras 2018 /2017, há uma variação de -6% (-14,5 milhões de toneladas). Em relação ao terceiro prognóstico da safra 2018, divulgado em janeiro, referente à variação da safra 2018, o número é positivo +0,8% (+1,8 milhão de toneladas). Arroz, milho e soja, os três principais produtos deste grupo, somados, representaram 92,8% da estimativa da produção e respondem por 86,8% da área a ser colhida.

Arroz (em casca)

A estimativa para a safra 2018, mostrou uma área plantada próxima a dois milhões de hectares, 3,6% menor que a do ano anterior. O rendimento médio estimado, de 5.990 kg/ha, ficará 2,5% abaixo do registrado na safra passada. A produção estimada, de 11,7 milhões de toneladas, teve uma queda de 5,7% em relação à produção de 2017.

Ainda de acordo com o IBGE, o preço médio da saca de 50 kg de arroz em casca está sendo negociado em torno de R$ 37,00 abaixo do valor negociado nesta mesma época do ano anterior.

Milho (em grão)

A produção está estimada em 85,8 milhões de toneladas, 13,8% menor que a do ano passado. A queda das cotações da cultura, fez com que muitos agricultores diminuíssem a quantia de plantio ou mesmo a desistência do plantio. Isso acarreta também em baixa compra de insumos, o que pode comprometer a produtividade em diversas regiões.

Estima-se que a área plantada e a ser colhida no país seja próxima a 16,6 milhões de hectares, redução de 7,9% e 7,1%, quando comparada com 2017. A primeira safra deve contribuir com 26,5 milhões de toneladas, 30,9% do total a ser produzido ao longo do ano, com uma variação de -14,7% em relação ao ano passado.

A produção de milho de segunda safra foi estimada em 59,3 milhões de toneladas, 13,4% abaixo do obtido no ano anterior. As estimativas apontam uma área plantada de 11,3 milhões de hectares com reduções de 8,4% e 6%.

Soja (em grão)

A primeira estimativa de produção para 2018 totalizou 112,4 milhões de toneladas, redução de 2,2% em relação à safra 2017. Estima-se que a área plantada com a leguminosa deva alcançar 34,6 milhões de hectares, aumento de 1,8%.

Com a cotação do milho em baixa durante o ano de 2017, a produção de soja voltou a ser mais atrativa aos produtores. A cultura deve representar uma participação de aproximadamente 49,7% na produção nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2018. Já a estimativa de rendimento médio apresentou redução de 4,1%, podendo alcançar 3.253 kg/ha.

Metodologia

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), é uma pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras dos principais produtos agrícolas, cujas informações são obtidas por intermédio das Comissões Municipais (COMEA) e/ou Regionais (COREA); consolidadas em nível estadual pelos Grupos de Coordenação de Estatísticas Agropecuárias (GCEA) e posteriormente, avaliadas, em nível nacional, pela Comissão Especial de Planejamento Controle e Avaliação das Estatísticas Agropecuárias (CEPAGRO) constituída por representantes do IBGE e do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA).

Em atenção a demandas dos usuários de informação de safra, os levantamentos para cereais, leguminosas e oleaginosas, foram realizados em estreita colaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), continuando um processo de harmonização das estimativas oficiais de safra, iniciado em março de 2007, para as principais lavouras brasileiras.

Elisiane Maciel